A saga de um uniredentoriano: Do Noroeste do Rio à América do Norte

03/09/2019 - Nino Bellieny

BNB EXCLUSIVO

De Santo Antônio de Pádua, passando por Itaperuna, até chegar à América por Fabiano de Araujo Pinto - Engenheiro Civil, Weymouth, Massachusetts-USA.

A convite do amigo Nino Bellieny, resolvi escrever sobre a minha caminhada profissional nos Estados Unidos, onde estou há 1 ano e 4 meses.
Cheguei em abril de 2018, repleto de garra para aprender mais e partilhar conhecimentos. Nasci em Santo Antônio de Pádua-RJ, porém tenho, também, o título de Cidadão Itaperunense, cidade onde passei a viver em 2000.
Minha primeira formação foi Licenciatura Plena em Matemática na UFF. Em 2009, ingressei na Faculdade Redentor (hoje UniREDENTOR) e de aluno cheguei a professor em 2014, ficando até 2016.
A querida IES faz parte da minha história como o próprio lema afirma: “Formando amigos e profissionais.”.
Fiz amizade com os outros professores, os alunos e os funcionários. À UniRed, devo a excelência da minha 2ª graduação.
Eu já tinha o visto para entrar nos EUA desde 2015, mas conversando com um amigo administrador de empresas daqui, surgiu o convite para ocupar uma vaga há algum tempo.

 A FUNÇÃO

Meu trabalho consiste em fazer orçamentos para uma grande firma de insulation, o isolamento térmico/acústico das construções como casas e grandes prédios residenciais/comerciais.
Recebo os projetos das construtoras, de arquitetos e de engenheiros americanos e calculo o material a ser usado para o interior da construção ficar aconchegante termicamente.  Afinal, onde estou?  No estado de Massachusetts, ao norte do país, que é muito frio no inverno.
A menor temperatura chega a -30 °C em Celsius, já em Fahrenheit:-22 °F. Aliás, a diferença começa pelas unidades de medida e capacidade.
Eles usam Milha no lugar de Quilômetro (km) e, por conseguinte, milhas por hora no lugar de km/h, como Libra no lugar de Quilograma.